Atualidade Covid-19 Notícias Saúde e Bem-estar

Mais de 100 mil pessoas no mundo já recuperaram da COVID-19

Unsplash / Daan Stevens - @daanstevens

Numa altura em que o número de infetados pela nova COVID-19 tem subido muito, importa relembrar que foi já ultrapassada a marca dos 100 mil recuperados. No entanto, especialistas alertam para as sequelas que este vírus pode deixar no organismo.

São exatamente 100.321 os casos já recuperados do novo coronavírus, pandemia que afeta em larga escala quase todos os países do mundo, de acordo com o site worldometers que faz o acompanhamento dos números em todos os países desde o início.

Segundo o mesmo site, neste momento existem 349.676 pessoas infetadas em todo o mundo, sendo os países com mais casos a China, a Itália e os EUA, respetivamente.

Todavia, um grupo de médicos de Hong Kong anunciou, depois de um estudo com 12 pacientes já curados, que a COVID-19 pode deixar sequelas no organismo. Após alguns exames foi detetado um turvamento em tomografias dos pulmões de pacientes recuperados. A causa possível é a fibrose, que reduz permanentemente a capacidade respiratória.

“Em alguns pacientes, a função pulmonar pode cair de 20% a 30% após a cura”, afirma Owen Tsang Tak-yin, diretor médico do Centro para Doenças Infeciosas do Hospital Princess Margaret, em Hong Kong. “Eles ficam com dificuldades respiratórias se andarem um pouco mais rápido.”

Só os novos testes nos pacientes curados podem indicar se eles desenvolveram fibrose pulmonar. Esta ocorre quando, após uma inflamação ou outro dano, há cicatrização e consequente espessamento patológico do tecido conjuntivo entre os alvéolos e os vasos sanguíneos que os circundam. Isso dificulta a penetração do oxigênio nos vasos, o pulmão enrijece, a respiração torna-se superficial e rápida, resultando em dispneia e tosse seca. A capacidade física reduz-se e mesmo as atividades do dia a dia podem ser feitas, mas com maior dificuldade.

Essa fibrose não tem cura, pois as alterações do tecido pulmonar são irreversíveis. Contudo a sua progressão pode ser desacelerada e por vezes até travada, caso diagnosticada atempadamente.