Destaque Gastronomia

IVBAM apresenta o Rum da Madeira

O Rum da Madeira é um Rum Agrícola, categoria atribuída a uma ínfima percentagem da produção de rum a nível mundial, o que o torna ainda mais especial!

O Rum da Madeira é um Rum com Indicação Geográfica Protegida (IGP) produzido na Madeira, obtido exclusivamente por fermentação alcoólica e destilação do sumo de cana de açúcar, sendo por esse motivo classificado como rum agrícola.

É um produto único que se diferencia sensorialmente, fruto de um conjunto singular de fatores que vão desde a geografia, condições edafoclimáticas da Região, variedades de cana-de- açúcar utilizadas, método de produção e envelhecimento e o know-how secular acumulado ao longo de gerações.

História

A Ilha da Madeira foi descoberta em 1419, poucos anos passados, as terras começaram a ser desbravadas, sendo o solo ocupado com a cultura de trigo, vinha e cana de açúcar.

Devido às boas condições edafoclimáticas da Ilha da Madeira, gerou-se uma produção de cana de açúcar em quantidade e qualidade considerável, e em 1466 era a principal cultura da Madeira para a produção de açúcar, que era maioritariamente destinado à exportação.

Em finais do século XIX surgem os primeiros engenhos de destilação de rum (entre os madeirenses é conhecido como “aguardente de cana”). Entre 1847 e 1870, estimam-se a existência de 26 engenhos de destilação de “aguardente de cana”.

Com a viragem do século XX para XXI, houve um impulso crescente na produção de cana sacarina e atualmente esta cultura ocupa cerca de 180ha que correspondem a uma produção que ronda as 10.800 toneladas/ano.

Produção do Rum da Madeira

A cultura de cana-sacarina é praticada em pequenas explorações, não ultrapassando os 5.000 m2 e frequentemente fragmentadas em cinco a seis parcelas. A pequena dimensão das parcelas aliada à orografia dos terrenos resulta na impossibilidade, quase generalizada, de recurso à mecanização, pelo que a produção da matéria-prima do «Rum da Madeira» está fortemente dependente da mão-de obra.

Após a apanha da cana-de-açúcar esta é rapidamente sujeita a uma moagem. O mosto resultante é então sujeito a uma decantação seguida de filtração, com o objetivo de tornar este “caldo” o mais limpo possível.

Antes de dar início à fermentação, é ainda ajustado o teor de açúcares para o nível ideal que conduz a uma otimização do processo de fermentação. Ocorre então um lento processo de fermentação, que poderá levar alguns dias.

O líquido resultante da fermentação, vulgarmente designado por “vinho de cana”, pode ser sujeito a uma decantação ainda antes de ser destilado, conservando-se a qualidade e o sabor deste produto típico da Madeira.

O rum da Madeira é classificado em três tipos:

– Rum da Madeira natural: Complexidade aromática e tropicalidade, frescura, mineralidade e persistência típicas;

– Rum da Madeira edulcorado ou «beneficiado»: A edulcoração realça a complexidade aromática, nomeadamente notas adocicadas a mel e a frutos secos como figos e passas;

– Rum da Madeira envelhecido: envelhecimento em cascos de madeira de carvalho por um período mínimo de três anos. Encorpado e detentor de uma frescura ácida conferida pelo terroir da Região, com complexidade aromática, elegância do sabor e elevada persistência. As indicações de idade são: três anos; seis anos/Reserva; nove anos; 12 anos/ Reserva Velha; 15 anos/Reserva Especial; 18 anos/Reserva Superior; 21 anos/Grande Reserva; 25 anos ou Superior, associadas ou não à menção «Grande Reserva Premium».

Antes da sua comercialização o Rum da Madeira é sujeito a um rigoroso controlo de qualidade que culmina no certificado IGP “Rum da Madeira” atribuido pelo Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira IP-RAM (IVBAM).

Em 2019 foram cinco os engenhos que exerceram a atividade, tendo a produção total de «Rum da Madeira» ultrapassado os 6.500 hectolitros a 50 por cento vol., resultante da transformação de cerca de 8.000 toneladas de cana de açúcar, tendo sido engarrafados 5.214 hectolitros de «Rum da Madeira».