Atualidade Destaque Notícias

Três candidatos para suceder a Centeno no Eurogrupo

Imagem Pixabay

Espanha, Irlanda e Luxemburgo anunciaram esta quinta-feira candidatos à liderança do Eurogrupo, que será decidida na próxima reunião, a 9 de julho.

Após Madrid ter anunciado ainda da parte da manhã a candidatura da sua ministra da Economia, Nadia Calviño, à liderança do Eurogrupo, também a Irlanda formalizou o estatuto de candidato do seu ministro das Finanças, Paschal Donohoe. Seguiu-se o Luxemburgo, que apresentou a candidatura de Pierre Gramegna.

Estamos, portanto, perante uma corrida a três para a sucessão de Mário Centeno à frente do Eurogrupo, uma vez que as candidaturas tinham de ser formalizadas até às 16:00 de hoje.

A ministra espanhola e o luxemburguês eram já apontados como candidatos há algum tempo, antes mesmo de ser conhecida a saída do ex-ministro das Finanças português do Governo e, por inerência, do Eurogrupo.

Donohoe é o candidato conservador para contrapor ao liberal Gramegna e a Calviño, que integra o partido dos Socialistas e Democratas (S&D). 

A eleição está agendada para 9 de julho, data da próxima reunião do Eurogrupo, necessitando o vencedor de obter o apoio de 10 dos 19 países. Caso nenhum candidato obtenha esse número, o candidato menos votado é excluído e realiza-se nova votação com os restantes candidatos.

À partida, Calviño dificilmente contará com o apoio dos chamados “países frugais” – Áustria, Dinamarca, Holanda e Suécia -, uma vez que Madrid e este bloco “chocaram” nas negociações sobre o desenho do plano de recuperação da economia europeia após a pandemia.

Gramegna, que integra o Eurogrupo desde 2013, foi derrotado por Centeno em 2018, quando se candidatou à liderança.

Já a candidatura de Donohoe pode ser penalizada pelo facto de o seu partido, o Fine Gael, estar ainda a negociar um programa de Governo de coligação.

Mário Centeno foi o terceiro presidente do Eurogrupo, depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker (2005-2013) e do holandês Jeroen Dijsselbloem (2013-2018), e abandona o cargo a 13 de julho, sendo o primeiro a cumprir apenas um mandato, com a duração de dois anos e meio.

Sobre este autor

Direcção IN Corporate Magazine

Adicionar Comentário

Escrever comentário