Educação

Centro Helen Keller, a escola para todas as crianças felizes

Berçário
Estabelecimento de ensino inclusivo destina-se a todos, desde os quatro meses de vida até ao 9.º ano de escolaridade, com ou sem deficiência visual. Uma escola que fomenta a inclusão, atividade física, lado ambiental e parte académica num só espaço.

No Restelo, zona de Lisboa que ficou para a História, existe uma escola inclusiva com seis décadas de história. Ao contrário do velho do Restelo que ergueu a voz contra a ambição dos Descobrimentos, o Centro Helen Keller (CHK) há muito que tem uma visão progressista no que ao ensino diz respeito. Não foi graças à Índia, mas sim ao Movimento de Escola Moderna, criado por um professor francês que desenvolveu um método natural de aprendizagem, pondo os alunos em contacto com a realidade.

Além do rigor nas práticas académicas e da promoção de competências sociais, a escola tem como missão promover a inclusão de alunos com problemas visuais.

“De acordo com a legislação em vigor, e já desde 2008, a rede pública integra escolas de referência para a deficiência visual. Contudo, essa tem sido uma missão da nossa escola desde a sua fundação, ou seja, desde 1955. O Centro Helen Keller tem a experiência, o ambiente, os recursos humanos e os recursos materiais necessários para prestar o melhor apoio possível aos alunos com deficiência visual”

Ana Lúcia Pelarigo, diretora pedagógica do CHK

Como isso sempre foi a realidade do Centro Helen Keller, criou-se a falsa ideia de que “só trabalhávamos para pessoas com deficiência visual”. “Somos uma escola inclusiva e não uma escola de educação especial. Para nós, o que faz sentido é o contacto entre todos os alunos. É em conjunto, com as suas diferenças, que os nossos alunos aprendem e evoluem como seres humanos”, continuou.

O objetivo é mesmo tornar os alunos em cidadãos melhores, mais conscientes e mais informados, contribuindo para um mundo mais solidário e harmonioso. No fundo, crianças e jovens com caráter e felizes.

O ensino divide-se em berçário, creche, jardim de infância, 1.º, 2.º e 3.º ciclos. O berçário destina-se a bebés entre os quatro e os 12 meses (ou quando adquirida a marcha) e a creche acompanha-os até que tenham três anos.

Berçário

“Temos lotação completa da creche porque é uma valência muito procurada. Mas acreditamos que não é só por isso. A relação que estabelecemos com as nossas crianças, o cuidado que temos com elas e as experiências que lhes proporcionamos – especialmente o contacto com a natureza – distinguem-nos de outros contextos. Mantemos uma relação de grande proximidade com as famílias e comunicamos diariamente com os pais através da plataforma PEEQ, informando-os de eventuais situações relevantes que ocorreram durante o dia, das rotinas de higiene, de alimentação, de sono…”, disse a diretora pedagógica. Além das atividades ‘normais’, os mais novos têm “as de música e motricidade, incluídas no horário escolar”.

Já quem está no jardim de infância tem incluído no horário o ensino de música, educação física e inglês. “No jardim de infância funcionamos com salas heterogéneas: três, quatro e cinco anos na mesma sala, o que é uma mais-valia porque permite que os mais crescidos se responsabilizem e ajudem os mais pequeninos e que os mais pequeninos aprendam com o exemplo dos mais velhos”, explicou Ana Lúcia Pelarigo. “Há momentos em que algumas atividades, nomeadamente música ou inglês, são em conjunto e outros em que são por idades. Tentamos potenciar as vantagens das salas heterogéneas, mas criamos também momentos em que as crianças beneficiam de estar organizadas por idades. Para os finalistas do jardim de infância temos também atividades específicas: a filosofia para crianças e o projeto ABC. Esta última pretende fazer a articulação entre o jardim de infância e o 1.º Ciclo… é uma transição complexa e tentamos tirar partido do facto de estarmos na mesma escola para atenuarmos o seu impacto, preparando-os para essa passagem”.

1.º Ciclo

No 1.º ciclo os alunos têm professores especializados em educação física, música, inglês e informática. “E a partir do 3.º ano todos os alunos aprendem Braille. Isto tem a ver com a nossa escola, é uma oferta de escola e é para terem um conhecimento e levarem daqui uma mais-valia. Todos eles aprendem a ler e escrever Braille embora, naturalmente, a um nível muito elementar”, salientou. Também no 4.º ano há uma coadjuvação no âmbito do Estudo do Meio. Um professor de História trabalha quinzenalmente com os alunos. Além de enriquecer a disciplina, ajuda também a atenuar a transição para o ciclo seguinte.

Como ‘prova’ de que o Centro Helen Keller tem uma visão progressista, os alunos do 2.º Ciclo têm a disciplina de Projeto. “Ainda antes de existir a Área de Projeto nós já tínhamos a disciplina… depois, com a obrigatoriedade legal, generalizou-se.” Entretanto deixou de ser obrigatória, mas, reconhecendo a sua importância na Educação atual, o CHK manteve-a. “Acreditamos que são disciplinas como as de Projeto que nos dão maior amplitude para desenvolver competências transversais. São essas que vão preparar verdadeiramente os alunos para os desafios que irão ter pela frente… muitos dos nossos alunos terão profissões que ainda nem existem, ou seja, temos que os preparar para o desconhecido, temos que lhes dar ferramentas para se poderem adaptar, investigar…”, disse.

Aliada a toda a oferta curricular existente, o Centro disponibiliza um conjunto de atividades extracurriculares que cumprem duas missões em simultâneo: por um lado, complementam o horário dos alunos (quer ao final do dia, quer nos períodos de interrupção letiva) e, por outro, respeitam os critérios defendidos pela escola no que respeita à educação ambiental, artística e desportiva.

Além das atividades curriculares e extracurriculares ‘estruturadas’, existe ainda um conjunto de atividades de cariz mais transversal e que permitem manter a escola dinâmica e proativa nos domínios que defende. Pelo 3.º ano consecutivo, o CHK recebeu o galardão da Eco-Escola (bandeira verde) comprovando as boas práticas que têm vindo a ser adotadas pela comunidade escolar em geral e pelos alunos em particular. “Para ser possível chegar à Bandeira Verde é necessário levar a cabo diferentes ações nas quais os alunos se envolvem verdadeiramente. Existe um Conselho Eco-Escola que integra um aluno representante de cada turma, diversos professores, auxiliares, administrativos, associação de pais e até representantes da Junta de Freguesia. É fantástico ouvir as intervenções dos alunos e verificar o nível de consciência que já têm, mesmo os mais novos” refere a diretora pedagógica. Para quem não sabe, Eco-Escolas é um programa internacional vocacionado para a educação ambiental, sustentabilidade e cidadania.

No sentido de contribuir para a consciência cívica dos alunos, o Centro tem também participado no Projeto Escolas com Voz, promovido pela Junta de Freguesia de Belém. “Este projeto pretende envolver as diferentes escolas da freguesia criando parcerias, mas também motivar os alunos para a sua participação nos órgãos de gestão local, tornando-os mais conscientes do seu papel enquanto cidadãos”, explicou Ana Lúcia Pelarigo. Ao abrigo deste projeto, o CHK já desenvolveu diferentes torneios desportivos com escolas vizinhas o que, mais uma vez, contribui para a vertente desportiva, tão defendida pela escola. “Este ano letivo, pela primeira vez, a Junta de Freguesia lançou o concurso Escolas com Voz cujo objetivo era os alunos apresentarem um projeto de melhoria para freguesia. O Centro Helen Keller venceu na categoria do 1.º Ciclo. Mais uma vez, estamos muito orgulhosos dos nossos alunos!”

Logotipo do CHK

Sendo uma escola que “privilegia muito as atividades no geral”, não podemos deixar de destacar a parte cívica. “Temos valores, batemo-nos por esses valores, trabalhamos para esses valores e é dentro desse contexto que o Centro Helen Keller gostaria de formar os seus alunos para que fossem verdadeiros cidadãos: com carácter, educação, respeito e orgulho em ser português, que foi uma coisa que já se esqueceu”, resumiu o presidente da direção, o engenheiro Alberto Maia e Costa.

A COVID-19 surgiu inesperadamente e obrigou a enormes reestruturações nas diferentes áreas da sociedade, sendo que a Educação não foi exceção. O Centro Helen Keller viu, à custa da pandemia, um dos seus grandes projetos adiado: a construção de um ginásio que seria “para toda a gente”, referiu o engenheiro Alberto Maia e Costa. Tanto serviria para praticar desporto como para a parte académica. “A essencialidade é que Lisboa tem uma escola que se chama Centro Helen Keller e que nós e os professores temos uma preocupação muito grande, não só em instruir, como também em educar”, prosseguiu.

Mas a adversidade também nos traz a possibilidade de nos reinventarmos e foi isso mesmo que o CHK fez. O Centro iniciou o trabalho com os alunos na plataforma Teams (Microsoft), assegurando aulas síncronas e assíncronas a todos os alunos. Foi igualmente possível manter a maioria dos apoios no âmbito da educação especial.

Agora, é necessário preparar o novo ano letivo. “Estão a ser tomadas todas as medidas para que possamos regressar com toda a segurança e confiança. Aliás, a 18 de maio já reabrimos a creche, a 1 de junho o jardim de infância e a 29 de junho as atividades com os alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos. Todos os reinícios correram muito bem” referiu a diretora pedagógica.

No ano em que o Centro comemora os seus 65 anos de existência, o futuro é pensado com recurso ao passado e à melhoria do presente, sempre com os pés muito assentes na terra, conforme descreveu Ana Lúcia Pelarigo. “O nosso compromisso é continuar a mesma linha, mantendo os nossos quatro pilares orientadores: inclusão, atividade física, educação ambiental e, claro, toda a estrutura mais académica. Vamos continuar sempre a fazer pequenas inovações em todas as áreas”. Contra qualquer velho do Restelo.