Arquitetura e Design Líderes de Sucesso

“A arquitetura é a alma do edifício”

A Savills oferece um vasto leque de serviços especializados, desde a consultoria financeira e de investimentos, passando pela avaliação, planeamento e gestão de propriedades. A IN esteve à conversa com Joana Rodrigues, diretora do departamento de Arquitetura, para desvendar os segredos de uma empresa com mais de 160 anos.

A atuar em Portugal desde 2017, que razões levaram a Savills a apostar no mercado português?
A aposta da Savills no mercado português enquadra-se na estratégia de crescimento do grupo a nível Europeu, uma vez que este era o continente onde tinha menos expressão comparando com a Ásia-pacífico e EUA. Fá-lo num momento de grande atratividade do nosso mercado e através da compra da líder Ibérica Aguirre Newman, o que lhe permitiu de imediato um excelente posicionamento de mercado.

A oferta da Savills é ampla incorporando o imobiliário nas suas diversas vertentes. Este conjunto de valências é importante para o posicionamento da empresa?
Sem dúvida, como consultora imobiliária temos procurado sofisticar a nossa abordagem ao imobiliário com áreas que completam e enriquecem esta atividade, oferecendo um serviço integrado e abrangente que facilita e dá consistencia às decisões dos nossos clientes.

A Savills é a primeira empresa em Portugal com um profissional com a acreditação WELL (WELL Accredited Professional). O que isso representa para a empresa?
Para a Savills representa a possibilidade de prestar um melhor serviço aos nossos clientes, procurando sempre o bem-estar dos mesmos, e consequentemente uma maior responsabilidade social e ambiental, proporcionando espaços mais agradáveis, mais saudáveis, mais produtivos e com menor impacto ambiental.

Onde entra a arquitetura nos serviços da Savills?
Em todas as áreas de negócio da Savills, seja através de agência com o desenvolvimento de projetos em modelo chave-na-mão sobretudo em escritórios, Investimento com o desenvolvimento de estudos de viabilidade, em Consultoria com apoio técnico às due diligence, entre muitos outros. Por outro lado o nosso departamento ao longo dos últimos anos tem tido um crescente número de clientes que procuram este tipo de serviços diretamente, sem ser por via do cross selling ou outros departamentos da empresa.

Qual a relação da arquitetura com o imóvel?
A arquitetura é a alma do edifício, é onde procuramos a sua verdadeira identidade e personalidade, sempre com a devida atenção à envolvente e ao meio em que está inserido.

A reabilitação de edifícios nas cidades é uma crescente necessidade no ramo do imobiliário, a arquitetura é fundamental para essa oferta específica?
Não há reabilitação sem ligação à arquitetura, não só é fundamental como indispensável, é um pilar para desenvolver um trabalho de recuperação com qualidade e fiel à história de cada edifício e ao seu desenho inicial.
Não sendo, no entanto, um gabinete de arquitetura, a oferta é correspondente? Os nossos serviços vão muito além da arquitetura, temos uma equipa técnica que avalia todas as condições do imóvel e estuda a melhor solução não só a nível arquitetónico como a nível económico. Claro que ajuda bastante estarmos inseridos numa empresa que abrange todas as áreas do imobiliário, porque exige muito mais da nossa equipa e permite-nos uma visão abrangente e critica em todos os processos em que estamos envolvidos.

E a arquitetura de interiores, é igualmente importante para a valorização de um imóvel?
Naturalmente que o primeiro impacto é no exterior, mas não tira qualquer importância ao trabalho a desenvolver no interior. Aliás, se tivermos um edifício com um exterior impactante, criando elevadas expectativas, vamos naturalmente exigir que o seu interior corresponda, e mais do que isso é no interior do imóvel que se vive…

A sustentabilidade é também uma preocupação para a Savills?
Sempre foi uma preocupação e agora ainda mais com a pressão ambiental que vivemos. Temos politicas internas de sustentabilidade e exigimos de igual forma essas politicas aos nossos parceiros e fornecedores, destaco o facto de há muitos anos não utilizarmos consumíveis de plástico, apenas adquirimos carros híbridos ou elétricos, etc..

Entre várias certificações, destacam-se a WELL e a BREEAM. O que significam estas certificações em termos práticos?
A WELL é a primeira certificação exclusivamente focada no modo como o edifício, e todo o seu entorno, enaltecem o nosso conforto, fomentam a sua boa utilização e, acima de tudo, impulsionam a responsabilidade perante a saúde e o bem-estar em todos os seus intervenientes. Os resultados? A produtividade aumenta em mais de 90% quando estão garantidas a boa qualidade do ar e da acústica. 25% é quanto os utilizadores atribuem a uma boa iluminação circadiana na melhoria da sua qualidade de sono. 92% reconhecem a importância do efeito positivo de um espaço pensado no bem-estar do ser humano.
O sistema internacional de classificação BREEAM define padrões para as melhores práticas de projeto, construção e operação de edifícios sustentáveis, tornando-se num dos mecanismos internacionais mais abrangentes e amplamente reconhecidos na avaliação do desempenho ambiental de um edifício. As medidas usadas representam uma ampla gama de categorias e critérios energéticos, ecológicos e bem-estar, tai como, o uso de energia e água, o ambiente interno (saúde e bem-estar), poluição, transporte, materiais, resíduos, ecologia e processos de gestão.

A especialização em cada serviço é fundamental para um aconselhamento preciso e honesto. Além disso são também líderes de mercado em pesquisas do setor. Estes os pilares de um serviço de sucesso?
Os pilares de um serviço de sucesso é ter profissionais à altura e creio que temos dos melhores no mercado, assim como uma identificação clara das necessidades do cliente. Tudo isto aliado a um bom conhecimento do mercado só pode dar bom resultado. A acrescentar que somos muito persistentes e criativos na procura de soluções.

Também a sustentabilidade é uma das preocupações por parte da Savills. De que forma a implementam?
Em termos de ações internas, todos os carros comprados, desde há dois anos, têm de ser híbridos ou preferencialmente elétricos. No caso, por exemplo, das obras que executamos, é feita uma gestão de resíduos bastante rigorosa e há sempre uma procura de aproveitar/reciclar materiais existentes que estejam num mínimo estado de conservação.

Qual a perspetiva de futuro da Savills? Podemos esperar novos investimentos e a abertura de um novo escritório?
Temos como principal objetivo que a marca seja cada vez mais reconhecida no mercado nas suas várias áreas de negócio, tirando o maior proveito da nossa experiência nacional e internacional. A equipa continua a crescer e naturalmente já estamos a sentir mais necessidade de espaço quer em Lisboa, quer no Porto.