Empreendedorismo

Régua: No coração do Douro

O Caminho até Peso da Régua alenta-nos o ânimo, sabendo que iremos encontrar uma simbiose perfeita entre o rio e a paisagem. Aqui o coração enche-se pelo olhar, que se sobrepõe a todos os sentidos, conduzindo-nos pelo Douro Vinhateiro adentro, num património da humanidade que faz parte agora da nossa alma.

Entre as mil e uma maravilhas de Portugal, a cidade de Peso da Régua é uma delas. E o tempo das vindimas é o melhor para o descobrir. Embarcar nesta aventura é não só a oportunidade perfeita para se deslumbrar com esta região como a altura ideal para conhecer as suas gentes, alegres e acolhedoras, e sentar-se à mesa com os seus sabores e tradições. Por aqui também passa o Caminho rumo a Santiago.

A entrada no concelho do Peso da Régua no CPIS faz-se pelo atravessamento da sua ponte metálica, construída no século XIX para possibilitar o atravessamento de gente e mercadorias agora recuperada e devolvida para usufruto de caminhantes e ciclistas. Na cidade, dominam as referências à vinha e ao vinho que servem desde sempre como motivo de desenvolvimento económico e de manifestação artística e cultural como é exemplo o seu património.

No decorrer da etapa do Caminho no Peso da Régua pode encontrar o edifício em Granito Polido Preto da Casa do Douro que alberga no seu interior um tríptico de vitrais de Lino António, o Museu do Douro (100m de desvio) situado no antigo edifício da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, criada em 31 de Agosto de 1756, pelo Marquês de Pombal, e onde pode visitar várias exposições e fazer provas de vinhos comentadas, várias capelas destacando-se a Capela da Nossa Senhora do Desterro ou das Sete Esquinas construída entre os séculos XVII e XVIII, no período artístico protobarroco cuja recuperação foi distinguida pelo Prémio de Arquitetura do Douro com uma Menção Honrosa.

Na cidade dos Vinhos do Douro pode também desfrutar de uma gastronomia rica e diversificada na qual se destaca o cabrito assado e os afamados rebuçados da Régua, sem esquecer os tintos e os brancos vinhos do Douro e o Vinho Fino ou Generoso.

Sobre este autor

Jorge Teixeira

Adicionar Comentário

Escrever comentário