Atualidade Cultura | Património Notícias

Livraria Lello oferece livros em ‘drive thru’ inédito

Foto: Facebook da Livraria Lello

A partir de 1 de abril e por tempo ainda indeterminado, a conhecida livraria do Porto leva a cabo uma iniciativa que visa pôr todos a ler, mesmo em isolamento. Como? Através de um ‘drive thru’ e oferecendo livros aos leitores.

É um dois-em-um. Apesar de estar com a atividade comercial suspensa, uma das livrarias mais bonitas do mundo continua a funcionar, para bem da cultura e sanidade mental de muitos leitores em isolamento.

A Livraria Lello vai oferecer livros aos condutores que se dirigirem às suas instalações, no Porto. Trata-se do “primeiro ‘drive thru’ livreiro no mundo”, segundo os próprios, ou não fosse uma ideia e iniciativa deles.

Assim, a partir de 1 de abril e por tempo ainda indeterminado, este ‘drive thru’ funcionará de segunda a sexta-feira, entre as 10h00 e as 12h00. Será oferecida uma obra da “The Collection”, coleção editada pela livraria, sendo que a primeira é a “Mensagem”, de Fernando Pessoa.

Na quinta-feira, dia 2, como é o Dia Internacional do Livro Infantil, será oferecido um exemplar de “Na Livraria Mais Bonita do Mundo”. Na sexta, dia 3, é a vez de “O Livro da Selva”, “essa história mágica sobre um menino que cresceu no meio de uma matilha de lobos, e que apesar de não ser a sua família de sangue, a defendeu como se fosse. Uma outra analogia para este sentido de comunidade que todos hoje vivemos”, conforme frisou a livraria.

As obras que se seguem serão escolhidas e anunciadas antecipadamente nas redes sociais.

Os interessados devem inscrever-se no dia anterior até às 18h00, por email (info@livrarialello.pt), fornecendo os seus dados pessoais (nome, morada, email e contacto telefónico).

A entrega será feita no ‘drive thru’ “por um colaborador da Livraria Lello, que cumprirá todas as normas de segurança e higiene, e entregará os livros diretamente na janela dos carros dos leitores”.

O objetivo é cumprir assim a missão de “pôr o mundo inteiro a ler sempre que haja mundo, leitores e o que ler”.

A iniciativa surge depois de a ministra da Cultura, Graça Fonseca, ter afirmado que não existia nada que impedisse que as livrarias continuassem a funcionar durante o estado de emergência desde que vendessem os livros “à porta” ou “no postigo”, como acontece com outros serviços, considerando que os livros também são um bem de primeira necessidade.

Sobre este autor

INcorporate

Adicionar Comentário

Escrever comentário