Mulheres Inspiradoras Saúde, Estética e Bem-Estar

FÁTIMA LIMA NA PRESIDÊNCIA DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA

por Fátima Lima, Presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia Anestesiologia-Assistente Graduada

Consciente da sua importância como fulcro de abordagens cada vez mais sofisticadas e centradas no doente, a Sociedade Portuguesa de Anestesiologia está hoje totalmente comprometida com o crescimento e com a promoção da Especialidade em Portugal, focando todos os seus esforços em torno do desenvolvimento técnico, científico e social da Anestesiologia e dos Anestesiologistas. É constituída por 14 Seções e cinco Grupos de Trabalho Ativos.

De acordo com os estatutos, existem atualmente 600 a 700 sócios ativos. Contudo para o triénio 2022-2025 esta nova equipa que eu dirijo acredita que no final de 2025, seremos muitos mais, ao transformar esta Sociedade Científica num vetor de confiança e de mudança onde cada anestesiologista sinta o ensejo de aumentar o seu potencial clínico.

A Sociedade Portuguesa de Anestesiologia é uma organização devotada á promoção da saúde e à defesa e concertação dos Médicos Anestesiologistas em Portugal.

Fiel à sua essência inovadora, dinâmica e visionária que inspirou a sua génese, desde há mais de 60 anos, que esta Sociedade continua e continuará comprometida com o desenvolvimento da Especialidade em todas as suas dimensões: profissional, clínica, académica e social.

A Sociedade Portuguesa de Anestesiologia atingiu nos últimos anos uma dimensão robusta como Associação de Saúde, da qual todos os Anestesiologistas portugueses se orgulham, exigindo a esta nova Direção um compromisso de dinamização crescente, para que possa continuar a manter a credibilidade alcançada, como entidade parceira da decisão em muitos aspetos do panorama da Saúde em Portugal.

Como Presidente pretendo que a Sociedade constitua um espaço que promova a melhoria da atividade individual e coletiva da especialidade de Anestesiologia e tudo o que os sócios queiram protagonizar no âmbito dos seus Estatutos.

Fátima Lima, Presidente da SPA é anestesiologista do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, tem vindo ao longo dos anos a exercer a sua atividade assistencial diária na área da anestesiologia cárdio-torácica que coordena até aos dias de hoje.

Durante o seu percurso profissional foi várias vezes chamada pela tutela para liderar, nomeadamente foi Diretora do Centro de Formação do INEM-Porto entre 1998-2001, Diretora Clínica entre 2015-2016 e Diretora do Serviço de Urgência Geral e Emergência Médica entre 2014 e 2017.

“Because together we are stronger”

Eleita Presidente da Seção Cardiovascular e Torácica da SPA em 2021 é, em março de 2022, eleita Presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia para o triénio 2022-2025.Os principais objetivos do meu programa são os seguintes:

• Investir na elevação dos standards da Anestesiologia reforçando o papel da formação especializada e da investigação científica através da realização de reuniões anuais, updates e webinares;

• Consolidar as Seções e Grupos de Trabalho existentes na Sociedade e aumentar esse número indo de encontro das novas e variadas áreas de interesse da Anestesiologia;

• Manter o Congresso anual, os cursos e as formações nas várias áreas temáticas e acerca do exercício da profissão;

• Atualização dos meios de comunicação da Sociedade com todos os sócios, revista, website e apps;

• Continuação do desenvolvimento de cooperação com outros órgãos representativos dos Anestesiologistas;

• Fortalecimento de áreas de formação pós-graduada em colaboração com faculdades, com organizações governamentais e não governamentais que possam influenciar a Anestesiologia;

• Continuação da cooperação com a Sociedade Espanhola de Anestesiologia, Sociedade Brasileira e Sociedade do estado de São Paulo;

• Promover a elaboração de “Guidelines” por grupos de consenso de Anestesiologia, com o objetivo de uniformizar práticas e procedimentos clínicos realizando posteriormente as subsequentes auditorias e atualizações;

• Elaboração de recomendações no âmbito da Anestesiologia para minimizar o impacto ambiental da nossa prática clínica-somos nós os Anestesiologistas que devemos liderar pelo exemplo, nas questões da sustentabilidade ambiental, quer pessoal quer profissionalmente. Devemos defender publicamente políticas de saúde assim como liderar atividades de práticas mais sustentáveis dentro das nossas organizações de saúde;

• Criação de novos apoios à investigação em Anestesiologia, valorizando a inovação, a qualidade científica e a colaboração entre centros nacionais e estrangeiros;

• Motivação dos nossos sócios, continuando a estratégia de inclusão destes num número crescente de atividades da sociedade;• Promover a especialidade de Anestesiologia juntos dos estudantes do mestrado integrado de Medicina e dos internos de formação específica de Anestesiologia (IFE`s), bem como junto de outros profissionais de saúde e da população em geral;

• Persistir na gestão criteriosa dos recursos financeiros, de modo a garantir a sustentabilidade e resultados positivos dos quais os sócios são os principais beneficiários;

Com estas linhas mestras atrás mencionadas, esta Direção que agora inicia o seu mandato pretende assim reforçar o papel desta Sociedade Científica como um vetor de confiança e de mudança, onde cada Anestesiologista sinta o desejo de aumentar o seu potencial clínico, culminando a Anestesiologia num pilar que promove a segurança e “empowerment” profissional.

“Não pudemos mudar a condição humana, mas podemos mudar as condições em que os humanos trabalham” Reason J.BMJ,2000

Fátima Lima na primeira pessoa

“Não foi nada fácil o período em que exerci as funções quer de Direção Clínica quer de Direção do Serviço de Urgência. Em todo o período em que liderei, foi sempre uma preocupação minha que este período fosse pautado por um elevado desempenho nestas funções.

Nestes cargos de liderança, vivi dias difíceis, desafiantes, de construção e debate, de mudança e resolução, de busca de alternativas quando as soluções a curto prazo eram escassas ou até mesmo inexistentes e só o meu carácter determinado e perseverante, bem como o meu extremo empenho nas funções de liderança, foram determinantes para a gestão dos obstáculos que surgiram diariamente e que tinham de ser ultrapassados com rigor e competência quer ao nível da Direção Clínica, quer na Direção do Serviço de Urgência Polivalente, que não é nada mais nada menos do que a principal entrada de qualquer hospital em termos de prestação de cuidados de saúde e salvação de vidas humanas.

Em toda a minha vida como Mulher e também como Líder, sempre caminhei de “mãos dadas” com as raízes que me formaram, que me sustentam e que me mantêm neste meio hospitalar que é um local de acolhimento, diagnóstico e tratamento de doentes, sem jamais esquecer o que um dia jurei, acima de tudo, exercer a minha arte com consciência e dignidade, jurei que a Saúde do meu doente seria sempre a minha primeira preocupação (…); jurei manter por todos os meios ao meu alcance, a honra e as nobres tradições da profissão médica, jurei não permitir que considerações de género, religião, nacionalidade, raça, partido político, ou posição social se interpusessem entre o meu dever e o meu doente(…) e mais importante….jurei livremente e sob a minha honra.

Assim me mantive e agi, quer nos atos lineares de decidir e partilhar informações de grande responsabilidade aos meus pares, muitas delas de cariz pouco positivo, no que concerne a recursos humanos, materiais e infraestruturas, quer nos atos mais complexos e em momentos de delicada e frágil condição humana relativamente aos doentes aqui tratados.

Quanto mais aprendermos, mais sabedoria teremos para ser o tipo de pessoa que toma decisões acertadas e os resultados serão seguramente os melhores. Tendo subjacente este princípio concluiu em 2022 com sucesso o Curso de Especialização de Administração Hospitalar-ENSP/UNL.

Obteve o European Diploma – Fellow of Clinical Leardership, pela Academia Europeia, em dezembro de 2022 – Bruxelas.Como Mulher, sigam a bondade, a integridade, a humildade e a generosidade. O nosso caminho deve ser pautado pelos nossos valores, convicções e princípios.

Como Médica e Líder, digo-vos que devemos sempre fazer um bom trabalho. Este deve ser o mais correto e não o mais fácil e só assim vamos conseguir atingir a mestria nas áreas fulcrais da nossa vida. Uma obra-prima demora o tempo que for preciso.”