Gastronomia

Faz Figura: Uma montra da gastronomia portuguesa

Restaurante Faz Figura

Reaberto em fevereiro de 2018, o eterno Faz Figura, agora Wine&Food by Faz Figura, é hoje um espaço gastronómico singular na capital portuguesa, preservando o que de melhor se come em Portugal. Na nova vida do Faz Figura encontramos exclusivamente produtos das várias regiões nacionais, onde didaticamente o consumidor pode escolher e conhecer aquilo que está saborear no seu prato.

Com vista privilegiada para o Tejo, o restaurante Wine&Food by Faz Figura é hoje uma casa bastante distinta daquela que abriu portas em 1974. Pedro Dias, proprietário do restaurante desde 2006, em conjunto com o seu pai, Jorge Dias, em entrevista à IN Corporate Magazine, abre um pouco o livro em relação ao novo conceito do Faz Figura. “Para termos a casa nos moldes atuais, tive de dar um passo atrás, para dar dois em frente. Há cerca de três anos afastei-me do restaurante para preparar este novo projeto, que ganhou vida quando reabrimos a casa em fevereiro do ano passado. Hoje temos um conceito que extravasa as próprias paredes do estabelecimento”.

Grandes pratos com grandes parceiros

Mas afinal de que forma funciona este singular conceito que ultrapassa o espaço físico do restaurante? A resposta é simples e ao mesmo tempo complexa. No Wine&Food by Faz Figura a experiência gastronómica não termina com o ato de comer e beber. Com um sistema interativo, as mesas da casa dão a conhecer uma enorme rede de parceiros do restaurante, nomeadamente produtores de norte a sul do país, ilhas incluídas, que permitem ao cliente experimentar um pouco de toda a gastronomia nacional. A variedade é, apesar do pequeno tamanho do território nacional, incrivelmente extensa. Pedro Dias faz questão de reforçar que “a missão da casa é dar a conhecer o que de melhor se produz no nosso país, daí ter uma carta recheada de produtos endógenos de cada região, produtos de qualidade que nos chegam ao restaurante por via dos nossos parceiros. Na nossa casa, além das pessoas saborearem o nosso Portugal, são ao mesmo tempo informadas em relação aquilo que estão a comer, de forma a evidenciarmos o nosso património gastronómico. E o mesmo se reflete nos vinhos”.

Com uma carta fixa, todas as semanas existem diferentes sugestões, tendo muito em conta a recomendação dos parceiros, sendo que a bochecha de vitela é uma presença obrigatória no cardápio do  Wine&Food by Faz Figura. O mesmo se pode dizer em relação ao bacalhau, grande, tradicional, com farinheira de Estremoz e esparregado de grelos, um dos grandes êxitos da casa. A cozinha de autor, apesar de não se inserir no conceito do restaurante, não deixa de ser uma realidade, uma vez que “a partir dos nossos produtos regionais, podemos dar sempre aso à criatividade em relação a novos pratos. No entanto, não vamos deixar de cozinhar pratos típicos, apenas para estarmos rotulados na cozinha de autor, esse não é de todo o nosso objetivo. O que queremos mesmo é preservar a boa comida nacional e que as pessoas entendam que apesar de pequeninos, temos uma riqueza gastronómica única no mundo todo. Em todos os cantos de Portugal encontramos produtos e formas de cozinhar distintas, mas sempre ricas em termos qualitativos”.

Novos formatos a caminho

Conjugar a contemporaneidade à interatividade é uma condição intrínseca no Faz Figura. Pedro Dias faz questão de continuar a inovar e a promover parceiros e experiências gastronómicas um pouco por todo país. Num futuro próximo, o restaurante irá incluir a venda de um cartão, que será, nas palavras do empresário, “uma espécie de cartão de sócio. Quem adquirir esse cartão, ficará com acesso a toda a nossa rede e irá usufruir de descontos na aquisição de produtos nos nossos parceiros, ficando com a possibilidade de explorar toda a nossa rede. Uma medida que acaba por ser positiva para o cliente português, que poderá calendarizar o seu tempo e visitar os produtores quando tiver disponibilidade”.

Outra solução que entrará em vigor são os roteiros gastronómicos, ideais para os turistas que estão de passagem por Portugal. “Nesta opção o nosso cliente pode comprar um roteiro para determinada região. Por exemplo, o Alentejo, que imaginemos conta com 23 parceiros. Agendamos um roteiro para três ou quatro dias e nesse período de tempo, a pessoa pode visitar esses parceiros, conhecer e experimentar as suas especialidades”, garante Pedro Dias.

Uma terceira vertente está também em cima da mesa. Uma cozinha móvel que permite levar o restaurante a todos os pontos do país, disponibilizando sempre o melhor da região onde está localizado, no momento, a cozinha móvel.

Sobre este autor

Jorge Teixeira

Adicionar Comentário

Escrever comentário